África Acima, de Gonçalo Cadilhe

2 10 2007

africa-acima.jpg

Depois do sucesso das fantásticas narrativas de histórias e estórias, em Planisfério Pessoal e A Lua Pode Esperar, Gonçalo Cadilhe ofereceu-nos este sublime livro, da editora Oficina do Livro, sobre as suas ínfimas peripécias no planeta Africano, aquele que os viajantes mais experimentados consideram o mais entusiasmante e desafiante de todos os planetas.
Eu devo ter sido dos primeiros a comprá-lo, logo em Maio e, assim como o autor, também o livro fez uma larga viagem, de mão em mão.
A qualidade da escrita de Cadilhe faz-nos sentir, também nós a negociar com os guardas das fronteiras, a atravessar “estradas” em condições impensáveis em carros nas mesmas condições, a sofrer com o calor abrasador. Permite-nos, com a qualidade das descrições, imaginar o grandioso mundo que ele vai conhecendo e invejá-lo. E é essa inveja que Cadilhe não entende. A actividade que tem, tem-na porque procurou forma de arranjar meios e apoios para percorrer o Mundo e porque, claro tem este talento especial para a escrita. E viajar não tem que se ser só lazer. Não o é, seguramente da forma como ele o faz:

“É este o meu projecto: atravessar África. Prosseguir do Sul para o Norte utilizando as estradas do continente, recorrendo aos transportes públicos, aos autocarros maltratados pelos anos, aos comboios que ainda andam, pedindo boleia, viajando com as pessoas da terra – em terra onde estiver, farei como vir. Excluo o transporte aéreo, voar sobre África não é viajar por África. Aliás, voar não é viajar”.

Consegue facilmente, a partir deste excerto, imaginar-se as peripécias, as aventuras, as surpresas e os sustos que se foram sucedendo durante a viagem. Para saber mais, só mesmo lendo. Será certamente uma actividade mais rápida e cómoda do que os oito meses, quinze países, 27 000 quilómetros e 50 000 palavras depois resultaram em África Acima. Deixo uma citação de Gonçalo Cadilhe que retirei há tempos de uma das suas crónicas na revista Única do jornal Expresso:

” A solidão do viajante é a solidão do palhaço: a de reservar para si toda a tristeza que lhe vai na alma, e de entregar aos outros a máscara da alegria.”

Gonçalo Cadilhe, in Única, 6 de Abril de 2007

Anúncios